jusbrasil.com.br
18 de Julho de 2019

Qual é a população carcerária? Quantos homens e quantas mulheres estão presos? Quantos dos detentos estudam? Quais os crimes que mais pendem? Vamos aos números

Pedro Magalhães Ganem, Operador de Direito
há 4 anos

Participei de um curso de capacitação para realização da audiência de custódia e, entre os vários palestrantes, havia um representante do Estado (do Espírito Santo), o qual passou algumas informações do Sistema Prisional que eu achei bem interessante.


Assim, reproduzo neste texto os dados repassados pelo Estado, mas deixarei para fazer maiores considerações e análises pessoais em outro escrito, para não alongar e tornar este texto cansativo.


Segundo tais informacoes, o Estado do Espírito Santo possuía, em 2013, o total de 15.741 (quinze mil, setecentos e quarenta e um) presos.

Atualmente, são 17.626 (dezessete mil, seiscentos e vinte e seis) presos, para 13.587 (treze mil, quinhentas e oitenta e sete) vagas.

Dessa população carcerária:

  • 54% (cinquenta e quatro por cento) são de presos provisórios;
  • 90% (noventa por cento) são homens;
  • 41% (quarenta e um por cento) foram presos por tráfico de drogas;
  • 39% (trinta e nove por cento) por crimes contra o patrimônio;
  • 26% de reingresso; e
  • 14% tem ensino médio.

Das mulheres presas, cerca de 10% (dez por cento) de toda a população carcerária, 73% (setenta e três por cento) foram presas por tráfico de drogas.

Dados do Sistema Prisional do Estado do Esprito Santo e do Brasil


Já com relação ao comparativo entre a quantidade de presos e a oferta de estudo:

  • em 2006, havia 5.086 (cinco mil e oitenta e seis) presos, dos quais 149 (cento e quarenta e nove) estudavam;
  • Em 2013, eram 15.741 (quinze mil, setecentos e quarenta e um) presos, sendo que 3.641 (três mil, seiscentos e quarenta e um) estudavam.

Dados do Sistema Prisional do Estado do Esprito Santo e do Brasil


O total de presos em atividades de ressocialização no ano de 2013, era de 7.241 (sete mil, duzentos e quarenta e um), representando 46% (quarenta e seis por cento) da população carcerária; sendo composto de 83% (oitenta e três por cento) de presos condenados.

Desses detentos em atividades de ressocialização:

  • 1.390 (mil, trezentos e noventa) em atividades de profissionalização;
  • 2.200 (dois mil e duzentos) trabalhando; e
  • 3.641 (três mil, seiscentos e quarenta e um) estudando.

Outro dado interessante é que, no ano de 2014, 7.828 (sete mil, oitocentos e vinte e oito) pessoas deram entrada no sistema prisional por crimes cujas penas não ultrapassam 04 (quatro) anos, isto é, que, em tese, não caberia a prisão.


Quanto aos dados brasileiros, em 2012, eram 548 (quinhentos e quarenta e oito) mil presos.

Desses, 138.200 (cento e trinta e oito mil e duzentos) estavam presos por tráfico de drogas, o que representa cerca de 25% (vinte e cinco por cento) dos presos.

Se formos analisar a situação feminina, 50% (cinquenta por cento) das mulheres que estão encarceradas foram presas por tráfico de drogas.

Hoje, já temos mais de 700 mil presos.


Por fim, algumas informações gerais sobre as prisões e o preso, a nível nacional:

  • 87% (oitenta e sete por cento) das prisões foram em flagrante;
  • 82% (oitenta e dois por cento) das prisões foram em via pública;
  • 62% (sessenta e dois por cento) das prisões em “patrulhamento de rotina”;
  • 69% (sessenta e nove por cento) foram presos sozinhos;
  • 97% (noventa e sete por cento) foram presos desarmados;
  • 61% (sessenta e um por cento) possuem o 1º grau completo;
  • 19% (dezenove por cento) possuem o 1º grau incompleto;
  • 75,6% (setenta e cinco vírgula cinco por cento) possuem entre 18 e 29 anos;
  • 57% (cinquenta e sete por cento) não tem “passagem” anterior; e
  • 17% (dezessete por cento) já foram processados por tráfico de drogas.

Como disse anteriormente, o meu objetivo, com esse texto, era apenas trazer esses levantamentos e compartilhá-los com vocês. Por serem muitas informações, deixarei para analisá-las posteriormente, em textos diversos com temas diferentes.

Aproveito para te convidar a acessar o meu blog. Lá tem textos como esse e muito mais!


Gostou do texto? Recomente a leitura para outras pessoas! Basta clicar no triângulo que está em pé, à esquerda do texto.

Comente também! Mesmo se não gostou ou não concordou.

Para atingir um resultado maior e melhor, o assunto deve ser debatido e as opiniões trocadas.

Um grande abraço!

18 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Prezado Pedro, parabenizo pelo conteúdo.

Deixo minha sugestão para os próximos textos que for editar;

Qual estado brasileiro que mais ressocializa seus detentos?

Boa sorte
Abraços continuar lendo

Obrigado, Paulo.
Pode deixar que levarei em consideração sua sugestão! continuar lendo

Parabéns pelo levantamento.
É crucial a análise de dados, e esta deveria sempre se sobrepor a nossas ideologias.
Dos dados percebe-se que a política atual de combate às drogas têm sido custosa - e não estou antecipando nenhum juízo de valor sobre o tema, apenas constatando o número.
Percebe-se também a ineficiência do sistema judiciário - não digo propriamente as pessoas, mas toda a estrutura e arcabouço jurídico -, como atualmente apresentado, em razão da enorme parcela de presos provisórios. continuar lendo

Valeu, Michel!
Sem falar da baixíssima quantidade de vagas para estudo, né?! continuar lendo

Parabéns pelo artigo! Você disse muito nas entrelinhas da apresentação desses dados! continuar lendo

Obrigado. Fico feliz que tenha gostado! continuar lendo

Obrigada por compartilhar essas informações. Muito interessante. continuar lendo

Eu é que agradeço! continuar lendo