jusbrasil.com.br
27 de Maio de 2022

Justiça determina que estuprador registre a criança que foi gerada em decorrência do estupro

Pedro Magalhães Ganem, Advogado
há 7 anos

Justia determina que estuprador registre a criana que foi gerada em decorrncia do estupro

Se o título já assusta (pelo menos eu fico assustado), pior ficará quando eu te falar que o crime foi praticado pelo pai contra a filha e que a criança gerada desse estupro era, consequentemente, filha/neta dele.

Isso mesmo, o pai estupra a filha, a engravida, essa criança nasce e a Justiça determina que ela seja registrada pelo “pai”.

Tá pensando que leu errado? Sinto lhe informar que não, que esses fatos realmente aconteceram.

A história foi assim:

Era uma audiência criminal, a vítima prestava suas declarações e declarou que desde nova era assediada pelo pai o que culminou na sua gravidez, ainda aos 13 anos de idade.

Mesmo sabendo das complicações decorrente da situação (gestação gerada em decorrência de um estupro praticado pelo próprio pai), a vítima resolveu dar continuidade à gravidez e, assim, ter o filho.

Até aí “tudo certo”.

O “problema” começou quando a criança nasceu e a mãe tentou registrá-la.

Como não foi possível realizar o registro dessa criança no Cartório de Registro Civil, diante das complicações do caso, a vítima foi encaminhada para uma Vara de Registros Públicos, onde foi realizada uma audiência e foi determinado que a criança deveria ser registrada pelo “pai”, pois seria um direito seu saber quem é o seu genitor.

Tudo isso seria perfeito, desde que o genitor não fosse o próprio avô e a sua gestação tenha sido oriunda de uma violência.

Resultado da ópera, a criança (por ter o direito à paternidade [?!]) tem em sua Certidão de Nascimento as seguintes informações: filha de Maria de Tal e de João de Tal, tendo como avô materno a pessoa de João de Tal (a mesma pessoa que o pai).

Isso mesmo! A própria "Justiça" foi responsável pela maior das injustiças.

O que será dessa criança que crescerá sem conseguir se desvencilhar do crime que a gerou? Como será a reação dessa criança quando souber que o seu pai, na realidade, é o seu avô e que esse fato estará marcado em sua vida, ou melhor, em sua Certidão de Nascimento?

Qual direito é mais importante: o de ter o registro de um "pai" ou de proteger a menor de traumas maiores?


Sabe o que eu concluo disso tudo? Concluo que o ser humano é imprevisível e que não há limites. Concluo, também, que, apesar de todas as dificuldades enfrentadas por mim, de todas as imperfeições familiares, não temos noção dos problemas suportados pelos outros e das consequências geradas por eles no futuro.

E mais, qual é o papel da Justiça? Esse é que não é.

Por fim, apesar de todos os pesares, dificuldades e surpresas, percebo que realmente sou um profundo admirador do Direito e, principalmente, do Direito Penal, justamente por todas essas nuances que vão além do próprio Direito.

Aproveito para te convidar a acessar o meu blog. Lá tem textos como esse e muito mais!


Gostou do texto? Recomente a leitura para outras pessoas! Basta clicar no triângulo que está em pé, à esquerda do texto.

Comente também! Mesmo se não gostou ou não concordou.

Para atingir um resultado maior e melhor, o assunto deve ser debatido e as opiniões trocadas.

Um grande abraço!

Informações relacionadas

Eduardo Luiz Santos Cabette, Professor de Direito do Ensino Superior
Artigoshá 10 anos

Os menores fruto de estupro pré-ordenado e o direito a alimentos

Ana Julia Gothe Cunha, Advogado
Artigoshá 4 anos

Qual o prazo legal para Registro da Certidão de Óbito e Abertura de Inventário?

Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul
Jurisprudênciahá 4 anos

Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul TJ-RS - Apelação Crime: ACR 70077697423 RS

Superior Tribunal de Justiça
Notíciashá 10 anos

O STJ e as possibilidades de mudança no registro civil

Fátima Burégio, Advogado
Artigoshá 6 anos

Direito ao Esquecimento: Quando esquecerão Guilherme de Pádua?

197 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Aberração jurídica. continuar lendo

Aberração jurídica, social, familiar, religiosa, moral, ética, ..., ..., ... continuar lendo

A humilhação da criança, seria menor sem o nome do avô estuprador continuar lendo

Me causou até arrepios... Em que mundo vivemos? continuar lendo

É, Larissa, também fico me perguntando isso. Na verdade eu me pergunto: que seres humanos são esses que vivem nesse mundo? continuar lendo

Difícil de acreditar, tanto a decisão da Justiça como o ato. Seria este um ser humano??? Os dias de hoje são o verdadeiro fim do mundo. continuar lendo

Que aberração (tanto o pai/avô quanto a Justiça)! continuar lendo

Nem me fale, Leonardo. Nem me fale...

Imagina só a cara das pessoas que estavam nessa audiência...

Foi muito complicado. continuar lendo

Meu Deus!

Não sei o que foi pior, o titulo do texto ou enredo da história que demonstra que o estuprador era o Pai! Que absurdo!
Tem notícia de onde ocorreu isso (Cidade/Estado)?

Obrigado por compartilhar!
Abraços. continuar lendo

Ei, Clara.

Esse foi um caso que vivenciei profissionalmente. E posso te garantir uma coisa, pessoalmente a situação foi ainda mais chocante.

Por se tratar de um caso absurdo de abuso é segredo de justiça e não posso dar muitos detalhes.

O que posso dizer é que foi um fato que ocorreu no Espírito Santo, na região metropolitana da Grande Vitória.

Eu é que te agradeço pelo comentário! : ) continuar lendo

Nossa, deve ter sido hein?!
Foi o que pensei mesmo. rs. Tranquilo.

Obrigado. continuar lendo