jusbrasil.com.br
23 de Fevereiro de 2020

Quem pode responder a um processo criminal?

Pedro Magalhães Ganem, Operador de Direito
há 4 anos

Hoje, o texto será baseado na pergunta: quem pode responder um processo criminal?

Quem pode responder a um processo criminal

Provavelmente, você deve ter respondido: quem pratica um crime.

E quem é que pratica crime?

De acordo com o Código Penal, "Quem, de qualquer modo, concorre para o crime incide nas penas a este cominadas, na medida de sua culpabilidade."

Que fique claro que não quero com esse texto entrar em detalhes sobre autoria, coautoria e participação, visto que o objetivo desse espaço é simplificar o direito e não repetir teorias.

Assim, o que devemos ter em mente é o fato de que aquele que contribui para a prática de um crime também deve ser responsabilizado criminalmente.

Posso citar como exemplo de pessoas que contribuem para a prática do crime, contudo, sem participar efetivamente da prática criminosa: a pessoa que faz o transporte do criminoso para a prática criminosa, seja levando-o para o local do crime seja dando fuga após o crime; aquele que empresta a arma para o cometimento do crime; dentre outros.

É claro que não basta apenas contribuir para o crime. Essa contribuição tem que ocorrer e o contribuinte tem que saber que ajudava alguém a praticar um crime, é o que chamamos de dolo.

Para melhor ilustrar, recentemente, um conhecido meu foi preso e logo passei a ouvir por aí que ele não tinha praticado nenhum crime e que, portanto, não poderia ter sido preso, pois o bandido não é preso, mas o trabalhador é.

E foi desse caso que me veio a ideia de escrever sobre quem pode ser responsabilizado criminalmente além daquele que efetivamente executa o ato.

No caso desse conhecido, a acusação é que ele fez o transporte (ida e volta) de uma pessoa que matou alguém, ou seja, ele levou o assassino até o local do crime e, após a consumação, o levou de volta para casa.

Dessa forma, está respondendo pelo homicídio, pois contribui para a execução do crime, pois caso não tivesse transportado o assassino o crime não teria ocorrido.

Não podemos esquecer de mencionar aqueles crimes cuja execução pode ocorrer pela prática de diversos atos, como ocorre principalmente nos crimes de tráfico de drogas e posse/porte ilegal de arma de fogo.

Com relação ao crime de tráfico de drogas, não existe apenas uma conduta que se praticada será considerada como tráfico, como ocorre no caso do homicídio, por exemplo, em que o ato se resume a "matar alguém".

No tráfico, existem 18 (dezoito) atos passíveis de serem enquadrados como criminosos, quais sejam: "importar, exportar, remeter, preparar, produzir, fabricar, adquirir, vender, expor à venda, oferecer, ter em depósito, transportar, trazer consigo, guardar, prescrever, ministrar, entregar a consumo ou fornecer drogas".

"Mas eu não traficava, doutor, só guardava a droga!"

Não sei vocês, mas eu já ouvi essa frase diversas vezes e na maioria das vezes a pessoa realmente acreditava que apenas guardar a droga não era tráfico.

Logo, não é apenas aquele que vende drogas que é considerado traficante. Também poderá ser considerado traficante aquele que apenas guarda a droga para outra pessoa ou que faz o seu transporte de um lugar para outro.

Da mesma forma podemos falar dos crimes relacionados a arma de fogo. Para ser acusado de praticar um crime de posse ou porte ilegal de arma de fogo basta "possuir ou manter sob sua guarda arma de fogo, acessório ou munição" ou "portar, deter, adquirir, fornecer, receber, ter em depósito, transportar, ceder, ainda que gratuitamente, emprestar, remeter, empregar, manter sob guarda ou ocultar arma de fogo, acessório ou munição".

Veja que sequer é preciso ser o proprietário da droga, da arma ou da munição, basta que a pessoa as guarde, transporte, adquira ou empreste, por exemplo.

Situações como essa podem parecer incomuns, mas em periferias é costume que pessoas envolvidas com o crime guardem drogas, armas e munições na casa de outras pessoas, principalmente com o objetivo de evitar serem flagrados na posse desses materiais.

Portanto, nem sempre será apenas o executor que responderá pela prática de um crime, sendo possível que outras pessoas que não tenham praticado diretamente os atos tipificados na lei também sejam responsabilizadas.

Espero que com esse singelo texto tenha conseguido ajudá-los a compreender um pouco mais do Direito Criminal.


Finalmente, aproveito para te convidar a ACESSAR O MEU BLOG. Lá tem textos como esse e muito mais!

Gostou do texto? Recomende a leitura para outras pessoas! Basta clicar no triângulo que está em pé, à esquerda do texto.

Não deixe de compartilhar o texto nas redes sociais e comente também, mesmo se não gostou ou não concordou.

Para atingir um resultado maior e melhor, o assunto deve ser debatido e as opiniões trocadas.

Um grande abraço!

3 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Esse texto me dispertou uma dúvida:
A imputação do crime de tráfico de drogas não passa então a ser subjetiva?
Já que o delegado pode muito bem entender que um simples usuário que estava consumindo o entorpecente em quantidade ínfima praticou tráfico de drogas. continuar lendo

Renan, a definição entre usuário e traficante é mto complicada, pq as mesmas condutas do uso se aplicam ao tráfico.
Na minha visão, a PM tem um papel mais importante nessa definição que o delegado.

Um grande abraço continuar lendo

Ótimo tema , com ótima abordagem . Parabéns . continuar lendo